DestaqueLeiria

Leiria inaugura exposição intimista sobre o arquiteto Álvaro Siza

0

Uma exposição com caráter intimista, a partir dos desenhos e do que liga Álvaro Siza Vieira à cidade, nomeadamente a reabilitação do edifício do Moinho de Papel, é inaugurada no sábado em Leiria.

“Há duas mega exposições do arquiteto Álvaro Siza na Fundação de Serralves – da qual eu sou curador também – e outra na Fundação Gulbenkian. Esta exposição em Leiria não é idêntica a essas, nem tenciona ser”, mas sim “uma exposição intimista”, pensada “a partir da escolha do próprio Siza, dos seus desenhos criativos, do seu universo pessoal”, esclareceu à agência Lusa o curador António Choupina.

Em “Um diálogo entre o passado e o presente”, apresenta-se no Banco das Artes Galeria (BAG), em Leiria, “um lado diferente” do revelado em Serralves ou na Gulbenkian, “que têm focos e intenções diferentes”.

Álvaro Siza, que em 2009 desenhou a recuperação do histórico edifício do Moinho de Papel – datado de 1411, um dos primeiros da Península Ibérica destinado à produção de papel -, tem nesse projeto a sua única obra em Leiria.

O simbolismo desse espaço inspira um dos núcleos da exposição, não só pela obra em si como pela “característica mais intimista de relação com o próprio papel e o desenho”, enquanto “suporte criativo do artista-arquiteto”.

A relação biográfica de Álvaro Siza com a cidade está igualmente presente, através das “memórias de visitas em pequeno com os pais a Leiria” ou pela “tradição de outro grande arquiteto que tanto trabalhou em Leiria, Ernesto Korrodi”, autor do edifício que recebe a exposição. 

Em destaque no piso térreo do BAG está o Moinho de Papel, num núcleo que explica o projeto e se apresenta um vídeo com as memórias de Siza sobre Leiria, sobre a conceção do edifício – um encontro entre “o contemporâneo e o vernacular” – e sobre a poética em torno da ideia de moinho.

Nas seis salas do primeiro piso do BAG mostram-se mais de quatro dezenas de desenhos divididos por temáticas, numa pequena instalação que sugere um “diálogo entre a arquitetura do Banco das Artes de Ernesto Korrodi e a arquitetura de Siza”. 

Nesse percurso surge uma sala dedicada aos animais, “em particular cavalos, o primeiro desenho que Siza faz, ao colo do tio Quim”, desde “o cavalo de Tróia, a cavalos de corrida, a cavalos desconstruídos, a cavalos tipo esculturas africanas”.

Há também uma sala dedicada à mitologia de Édipo e Antígona e outra orientada para a importância do caderno, “elemento sempre presente na vida de Siza e suporte dos seus desenhos”. 

Nas salas maiores do BAG apresentam-se retratos e também autorretratos do arquiteto, remetendo para “a ideia de aprender a ver”, e um espaço dedicado ao movimento do corpo. 

Na última divisão relaciona-se “a génese gráfica deste arquiteto-artista” com “a sua educação cristã”, apresentando um lado religioso da obra de Siza, vertido na construção de capelas, igrejas e na criação de elementos característicos da cristandade, “desde o nascimento de Eva, a poesia da derrota de Golias, a crucificação de Cristo, etc.”, concluiu António Choupina.

“Um diálogo entre o passado e o presente” abre no sábado, às 16:00, e fica patente até março de 2025.

Notícias Do Centro

Cor e alegria nas Marchas Populares Cidade da Covilhã

Notícia anterior

Acidente numa obra de saneamento provoca um morto em Pombal

Próxima notícia

Também pode gostar

Comentários

Comentários estão fechados

Mais em Destaque