Coimbra

Coimbra: Estudo confirma eficácia de antioxidante na prevenção do fígado gordo

0

Um estudo desenvolvido pelas universidades de Coimbra e do Porto demonstrou a eficácia de um antioxidante na prevenção do fígado gordo não alcoólico, doença que afeta um quarto da população mundial, foi hoje anunciado.

O ANtiOxCIN4 foi patenteado pelas duas instituições do ensino superior e o resultado da investigação “abre portas para estudos de prova de conceito” desse mesmo antioxidante, afirmou hoje a Universidade de Coimbra (UC), em nota de imprensa enviada à agência Lusa.

A UC realça que este antioxidante poderá posteriormente ser utilizado na terapia contra o fígado gordo não alcoólico, uma doença que afeta “cerca de um quarto da população mundial e que está frequentemente relacionada com obesidade e diabetes”.

“Apesar da elevada incidência, ainda não existe um fármaco aprovado para o tratamento desta condição”, notou.

O fígado gordo não alcoólico traduz-se numa acumulação excessiva de gordura no fígado, frequentemente relacionada com maus hábitos alimentares e sedentarismo, aclarou.

“Esta condição, muitas vezes silenciosa, pode, com o tempo, trazer consequências graves para a função hepática e, consequentemente, para a saúde. Após uma fase inicial benigna, esta condição pode prosseguir para estados mais severos, como a inflamação hepática, cirrose ou mesmo cancro hepático”, vincou.

O estudo desenvolvido pelas duas universidades foi publicado na revista Redox Biology.

A equipa de Coimbra foi liderada por Paulo Oliveira, do Centro de Neurociência e Biologia Celular da UC, responsável pela avaliação da eficácia biológica do novo composto.

A outra equipa, liderada por Fernanda Borges, docente da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, idealizou, sintetizou e efetuou os ensaios antioxidantes preliminares do AntiOxCIN4.

O estudo “é o resultado de vários anos de pesquisa com esta molécula (AntiOxCIN4) e a primeira prova de conceito relativa ao uso deste antioxidante modificado” na prevenção do fígado gordo não alcoólico num modelo animal, realçou Ricardo Amorim, um dos investigadores do projeto e primeiro autor do trabalho científico agora publicado.

Ao longo de 16 semanas, parte dos ratos usados no laboratório receberam uma dieta padrão, enquanto a outra foi alimentada com uma dieta rica em gordura e açúcar.

Os ratos com essa dieta rica em gordura e açúcar aos quais foi administrado o antioxidante tiveram uma redução do peso corporal e do fígado, verificando-se um “menor dano hepático, com o melhoramento de marcadores sanguíneos hepáticos e a redução da gordura acumulada no fígado”, explicou Ricardo Amorim.

Notícias do Centro | Lusa

Festas do Concelho de Góis regressam em agosto para 12 dias de animação

Notícia anterior

Mealhada quer ser capital do jazz com festival que chega em setembro

Próxima notícia

Também pode gostar

Comentários

Comentários estão fechados

Mais em Coimbra